Quarta-feira, 24 de Agosto de 2011

Com o início das aulas marcado para o período de 8 a 15 de Setembro, cerca de 1,2 milhões de alunos do Ensino Básico e meio milhão do Secundário aprendem a pôr em prática as contas que lhes são ensinadas na escola para cumprirem os orçamentos estabelecidos pelas famílias para cadernos, lápis, mochilas e restante material escolar.

 

Em regra, os pais esperam gastar, entre mochila e conteúdo, de 50 euros a 100 euros. No total, só em material, são gastos cerca de nove milhões de euros. A factura ficará completa com os manuais escolares. Só no Natal é que as famílias gastam mais com as crianças. A confirmar a importância que o regresso às aulas representa para o comércio, fonte do grupo Auchan, que detém os hipermercados Jumbo, referiu ao Correio da Manhã que, "em termos de peso da facturação anual, a campanha tem um peso percentual muito relevante".

A gama de artigos é variada, colocando as grandes superfícies entre dois mil e quatro mil artigos distintos para abranger a maior variedade possível de gostos, com produtos que possam ser acessíveis a todas as bolsas.

Na hora de comprar, os rapazes gostam de uma coisa e as raparigas de outra. No meio, ficam os pais, que tentam desviar o olhar para os produtos mais baratos, em regra menos coloridos e elaborados. Ciente destas variações, quem vende reparte os artigos nas prateleiras por dois grupos principais: a faixa etária e o sexo dos potenciais clientes. Grandes expositores dão também destaque aos pacotes económicos e às promoções. Durante um mês, as grandes superfícies destinam também as áreas mais percorridas pelos clientes à venda de materiais que auxiliam na aprendizagem.

CRISE E CONCORRÊNCIA LEVAM À QUEDA DE PREÇOS

A crise, o desemprego, que atinge 12,1% da população activa, e a concorrência entre as grandes superfícies levam a que este ano o material escolar apresente uma ligeira descida dos preços.

Numa lista de 23 artigos, o CM fez as contas aos mais caros e aos mais baratos que se encontram no mercado. No cabaz mais dispendioso, são necessários 196,72 euros para comprar todo o material. Num cabaz mais económico, os 23 artigos ficam por 29,26 euros. Estes valores representam uma redução na ordem de 18% para os artigos mais caros, tendo em conta que no ano passado a lista dos 23 mais dispendiosos obrigavam a gastar 241,10 euros. No cabaz mais barato, há uma poupança de 10% em relação ao ano anterior, quando a mesma lista implicava um custo de 32,16 euros.

Os preços foram obtidos em três grandes superfícies. Este é um dos seis passos que os consumidores devem realizar para obterem um ganho, ou seja, deverão visitar vários locais para comparar preços.

A realização de um inventário para comprar apenas aquilo de que necessita é outro dos truques para poupar. Aproveitar as promoções, procurar restos de colecção ou artigos usados mais baratos são três outros princípios a seguir. O último passo é fazer uma ronda pelo material escolar do ano anterior para verificar que nem tudo está usado e inutilizado.

fonte:http://www.cmjornal.xl.pt/



publicado por adm às 00:06 | link do post | comentar

tags

actualidade

apoios

atualidade

benefícios fiscais

crise

custos

dicas para poupar dinheiro

educação

ensino superior

livros

livros escolares

manuais escolares

material escolar

noticias

portugal

regresso às aulas

saúde

universidade da terceira idade

vagas

verão

todas as tags

links
subscrever feeds