Quarta-feira, 24.08.11

Estado social destina-se a ajudar nas despesas das famílias de menores rendimentos

Com a crise confortavelmente instalada em Portugal, e sem dar sinais de pretender sair tão cedo, as famílias portuguesas precisam de todas as ajudas. Na altura do regresso às aulas, que é de despesas extra, convém ter presente as ajudas que pode pedir.

Antes de começar o ano, confira os apoios a que tem direito, consoante o seu filho seja ou não aluno universitário. Durante o 1.º ciclo do ensino básico (até ao 4.º ano), todas as crianças têm direito à distribuição gratuita de leite. No 2.º e 3.º ciclos (5.º ao 9.º ano), a venda de leite e derivados aos alunos é feita sem fins lucrativos.

As refeições fornecidas pelas escolas podem ser gratuitas ou ter preço comparticipado. O custo não pode ultrapassar o valor definido pelo Ministério da Educação para cada ano lectivo. Em 2010/2011, foi de 1,46 euros mais 30 cêntimos para marcações no dia, e 1,08 euros para refeições ligeiras. As famílias com rendimentos mais reduzidos ficam isentas.

Já os transportes escolares são gratuitos no ensino básico (até ao 9.º ano) e beneficiam de comparticipação no ensino secundário (do 10.º ao 12.º ano). São disso exemplo os descontos no passe social.

Quando, devido à distância entre a residência e a escola, o transporte não é viável, a família pode pedir a atribuição de alojamento. «Há várias possibilidades: rede oficial de residências para estudantes, famílias de acolhimento ou entidades privadas com as quais o Estado tenha acordo», lembra a DECO.

Os alunos de famílias de baixos rendimentos têm ainda direito a auxílios económicos para suportar encargos com a frequência da escola, como refeições, livros e materiais didácticos, visitas de estudo e alojamento. Quem beneficia destes apoios fica automaticamente isento de propinas, taxas e outros custos com diplomas e certificados de habilitações. 

Na universidade, as regras não são muito diferentes. O Estado proporciona bolsas de estudo, auxílios de emergência, alimentação, alojamento, serviços de saúde e apoio em actividades culturais e educativas. A bolsa, paga mensalmente, pode ser requerida por estudantes carenciados ou portadores de deficiência, desde que revelem aproveitamento escolar. Considera-se haver carência económica quando o rendimento mensal do agregado é inferior a 582 euros, ou seja, 1,2 vezes o salário mínimo nacional em 2011. 

A somar à bolsa, pode ser atribuído um subsídio para o transporte, se o estudante morar na região da universidade. Caso seja de fora, tem direito a uma prestação para alojamento, a menos que consiga vaga em residência universitária.

A bolsa anual máxima equivale a 12 vezes o indexante dos apoios sociais (IAS), que, em 2011, é de 419,22 euros. Acresce a propina máxima fixada anualmente para o 1.º ciclo de Bolonha (licenciatura). Fazendo as contas, são 6.030,35 euros. Este valor é depois dividido por 12, o que resulta em 502,53 euros mensais. O valor a atribuir depende do rendimento per capita do agregado.

O montante para alojamento, que tem de ser pedido à parte, pode assumir duas formas. Se o estudante conseguir vaga numa residência, equivale ao custo exigido pelo estabelecimento. No caso de não ter sorte e ser obrigado a procurar, por exemplo, um quarto, é, no máximo, de 30% do IAS (125,77 euros, em 2011).

Os alunos provenientes das Regiões Autónomas deslocados para o Continente ou uma ilha diferente da sua têm um complemento anual de transportes. Este é também atribuído aos estudantes do Continente que vão para as ilhas. Corresponde ao valor de uma passagem aérea ou marítima de ida e volta entre o local de estudo e a residência.

Se ocorrerem situações graves durante o período escolar, como perda de rendimentos do agregado familiar devido a desemprego, os estudantes podem dirigir-se à Direcção-Geral do Ensino Superior e pedir um apoio que corresponde a 2 décimos do valor da bolsa máxima para esse ano lectivo.

fonte:http://www.tvi24.iol.pt/



publicado por adm às 00:03 | link do post | comentar

tags

actualidade

apoios

atualidade

benefícios fiscais

crise

custos

dicas para poupar dinheiro

educação

ensino superior

livros

livros escolares

manuais escolares

material escolar

noticias

portugal

regresso às aulas

saúde

universidade da terceira idade

vagas

verão

todas as tags

links
subscrever feeds