Domingo, 15.07.12

Esta segunda-feira arrancam as candidaturas ao ensino Superior. Este ano, há 52 298 vagas - menos 1202 do que em 2011. Os cursos de Educação sofrem um corte de 20%. As engenharias oferecem um quarto das vagas.

 

Só em cursos de Informática, há 3390 vagas - é das maiores ofertas disponibilizadas, juntamente com Gestão (2223), Enfermagem (1993), Direito (1342) e Medicina (1321).

No despacho de fixação das vagas, publicado em junho, é recomendado às instituições a aposta nos cursos de Matemática, Engenharias, Informática e Ciências. Mas a primeira, fica-se pelas 354 vagas, bem longe das 12 387 vagas nos diversos cursos ligados a engenharias e que representam 23,7% do total de lugares disponibilizados.

No total, este ano há 52 298 vagas - menos 1202 do que em 2011. O despacho já previa o congelamento de lugares, exceto quando as instituições comprovam a empregabilidade dos cursos. No comunicado enviado às redações, o Ministério da Educação e Ciência defende que a redução (2,2%) "é inferior ao número de vagas" que sobrou em 2011, após a terceira fase de de colocações: 7884 (14,7%). A Universidade do Algarve é a que perde mais vagas em relação a 2011 - 199. No ensino politécnico, é o Instituto do Cávado e Ave (menos 220 lugares).

A primeira fase vai decorrer até 10 de agosto e, à semelhança do ano passado, os alunos só podem candidatar-se via online.

Para o presidente da Agência de Avaliação e Acreditação do Ensino Superior, o corte não é significativo. "Há efetivamente vagas que nunca são preenchidas, mais no privado do que no público e mais no politécnico do que no universitário. Mas também não há vantagem em reduzir", frisa Alberto Amaral ao JN, defendendo que a rede deve antes ser racionalizada através dos cursos com poucos alunos inscritos e baixa taxa de empregabilidade.

"Decisão empírica"

O corte de 20% nos cursos de Educação consta do despacho de fixação das vagas. Das 1.426 vagas de 2011, são este ano disponibilizadas 1.182. Para o secretário-geral da Federação Nacional de Professores, a medida visa claramente reduzir o número de docentes nas escolas e centros de emprego. No entanto, é "uma decisão empírica, não fundamentada em nenhum estudo", diz Mário Nogueira. Porque se é certo que haverá menos alunos com a quebra da taxa de natalidade, haverá mais nas escolas com o alargamento da escolaridade obrigatória.

De acordo com o INE, o desemprego docente subiu 120% no último ano. Em média, saem diariamente do país dez enfermeiros. Aos alunos são disponibilizadas 1993 vagas em cursos de enfermagem - menos 6 do que em 2011.

fonte:http://www.jn.pt/




publicado por adm às 11:38 | link do post | comentar

tags

actualidade

apoios

atualidade

benefícios fiscais

crise

custos

dicas para poupar dinheiro

educação

ensino superior

livros

livros escolares

manuais escolares

material escolar

noticias

portugal

regresso às aulas

saúde

universidade da terceira idade

vagas

verão

todas as tags

links
subscrever feeds